135

1977.1

Antonio Marcos compacto - Sonhos de um palhaço

Belchior 3o. LP  - Coração selvagem

Made in Brazil 3o. LP - Massacre

 

Em 28 de Janeiro de 1977, 

Antonio Marcos, cantor, compositor e ator paulistano (do bairro de São Miguel Paulista) entra nos estúdios da RCA paulista para a gravação do compacto com Sonhos de um palhaço, um dos maiores clássicos seus e da música "mais popularesca brasileira" (hoje conhecida como brega). O sucesso da música foi ainda maior ao ser incluída na trilha sonora da novela global Espelho Mágico, entre 04/06 e 05/12/1977.

                                                                  
                                                                  
                                   Ouça o compacto no link ao lado:  Sonhos de um palhaço

___________________________________________________________________________________________

Em 29 de Janeiro de 1977, 

Belchior entra no Estúdio Level (RJ), onde inicia as gravações de seu 3o. LP, Coração selvagem, o 1o. pela gravadora WEA, que o recém contratara.

O disco, lançado em 25/04/1977, na esteira do enorme sucesso do LP anterior, Alucinação (que continha Apenas um rapaz latino-americano e Como nossos pais), trás outros grandes clássicos de Belchior, ícones da MPB dos anos 70, como a própria faixa título, Paralelas (gravada com enorme sucesso por Vanusa), Todo sujo de baton e Galos, noites e quintais.

                                                                 
                                                                    
                                                                 
                                      Ouça o LP completo clicando no link ao lado:  Coração Selvagem        

____________________________________________________________________

Em 02 de Fevereiro de 1977, 

Made in Brazil entra no estúdio B da RCA Victor para iniciar as gravações de Massacre, seu 3o. LP.

                                                                   

O disco teria 14 faixas, mas, ainda durante as gravações de pré-produção, a censura do regime militar proibiu 9 faixas. As gravações foram, então, suspensas em definitivo, e o álbum não foi lançado.

O show, baseado nas músicas do disco, também teve problemas. Na estreia, dia 18/02, no Teatro Aquarius, no bairro do Bixiga, a polícia federal e o Dops – o Departamento de Ordem Política e Social, a polícia política do regime -, fecharam a rua e interditaram o teatro, confiscando o equipamento da banda. Novas apresentações só foram possíveis depois de várias alterações no roteiro e no repertório, inclusive o tanque de guerra, símbolo do disco, foi suprimido.

                                                                    
                                                                          
                                                                  
                                                                          
                                                                  

Por décadas Oswaldo Vecchione guardou em sua casa as fitas originais, gravadas no estúdio B da RCA.

Em 2005, ao encontrá-las em sua casa, resolveu lançar as gravações no formato de CD

A versão original, em vinil colorido (laranja) de 180 gramas, e com apenas 300 cópias numeradas, foi produzida e lançada em novembro de 2014.

                                                                  

Aqui constam as versões originais das clássicas MassacreUma banda Made In Brazil e Paulicéia Desvairada, pois nessa época as bandas tinham o costume de entrar no estúdio A da gravadora e gravar uma espécie de demo do disco todo e depois ir para o estúdio B (mais bem montado de equipamentos) e gravar a versão mais polida e definitiva do disco, a que iria para o mercado, mas como a gravadora desistiu do disco na época, devido à censura da maior parte das faixas originais, a versão do estúdio B desapareceu e até hoje não se tem notícia desses rolos. Sendo assim a versão que Osvaldo achou em sua casa, é a das gravações do estúdio A. 

Os participantes da gravação original foram:

Percy Weiss e Rubão Nardo (vocais) / Roberto  "Juba" Gourgel, Beto Gaviotto e Franklin Paolillo (bateria) / Oswaldo Vecchione  (baixo) / Tony Babalu, Celso "Kim" Vecchione, Eduardo Depose, Dudu Chermont e Wander Tafflo  (guitarras) / Tony Osanah (Flautas) / Rubens Diniz (teclados).

                                                                   

Das 14 faixas gravadas originalmente em 1977, 10 foram reaproveitadas em 1978, no álbum Paulicéia Desvairada, mas muito mais polidas, com outra formação (sem Celso na guitarra e sem Percy nos vocais, substituído por Caio Flávio) e algumas alterações nas letras e andamento das músicas.

                                                                   

As quatro faixas inéditas, lançadas na versão atual do Massacre são as baladas: O dia de assumir e O Passado não Voltará Jamais, e mais dois rocks nervosos: É Soda...É Foda! e a melhor das quatro, Espere Aqui Por Mim.

Em 2017 o Made comemorou 50 anos de carreira ininterrupta. Oswaldo com 70 anos, e seu irmão Celso, 69 anos de idade. 

A formação 2017 (a 206a. da banda), era: Oswaldo Vecchione (vocal e baixo), Celso “Kim” Vecchione (guitarra base), Octavio Lopez Garcia “Bangla” (sax), Rick “Monstrinho” Vecchione - filho de Oswaldo - ( bateria), Guilherme “Ziggy” Mendonça (guitarra solo), Tiago T. Fernandes, o “Mineiro” (teclados), Ivani “Janis” Venancio (backing vocals), Rubens "Rubão" Nardo  (backing vocals) e Solange Blessa Ibacking vocals).

                                                                   
                                                                
                                                      Ouça o LP completo no link ao lado: Massacre

135