130

1976.9

Ney Matogrosso 2o. LP - Bandido

Novela Estúpido Cupido - LP Trilha Sonora

Papa Poluição - compactos

 

Em 25 de Agosto de 1976, 

Ney Matogrosso entra nos estúdios da gravadora Continental e inicia as gravações de Bandido, seu 2o. LP solo.

A canção Bandido Corazón, composta por Rita Lee, tornou-se um grande sucesso na voz de Ney. Além desta, o disco trazia, dentre outros clássicos de Ney, as músicas Pra não morrer de tristeza, Trepa no coqueiroGaivota (composta pouco antes por Gilberto Gil , enquanto se encontrava internado num hospital psquiátrico após sua prisão por porte de maconha), Usina de prata e Mulheres de Atenas.

Uma curiosidade: Roberto de Carvalho, marido de Rita Lee, que na época estava começando seu relacionamento com ela, é o guitarrista de Ney no disco e no show Bandido. Outro músico presente no disco e no show era Elias Mizrahi, performático tecladista, compositor e ex-lider e fundador do progressivo grupo carioca, Veludo.

Com produção iniciada ainda no final de 1975, este foi o disco que consagrou Ney nacionalmente; um imenso sucesso de crítica e público.

O show Bandido, que deveria estrear no Teatro Ipanema, acacabou tendo sua primeira apresentação (em 21/10/1976) na Penitenciária Lemos de Brito, por conta da escolha dos detentos de terem Ney na final de um festival de música que organizaram na prisão. Ney aceitou com o maior prazer.

                                                                
                                                                   
                                                                 
                                           
                       
                                                                   
                                                                  
                                                                   
                                                                   
                                                                  
                                                                                                                 Ouça o LP completo no link ao lado: Bandido

____________________________________________________________________

Em 25 de Agosto de 1976,

Estúpido Cupido é a novela da Rede Globo que estreia nesse dia, às 19 hrs, trazendo nos 2 LPs de sua trilha sonora (nacional e internacional), somente sucessos dos anos 50 e início dos 60 (entre 1958 e 1963), época retratada na trama.

                                                                 
                                                                 

A novela foi responsável pela volta à midia (rádio, televisiva e impressa) de, entre outros, Celly Campello, uma das principais precursoras do rock brasileiro. Infelizmente Celly faleceria em 2003, com apenas 61 anos de idade, vítima de câncer.

                                                               
                                                                 

O sucesso da trilha sonora foi tão grande que ultrapassou a casa de 1 milhão de cópias vendidas, até hoje um grande recorde para esse tipo de coletânea.

A novela teve o último de seus 160 capítulos exibido em 28 de fevereiro de 1977.

                                                                
                                                                                                                   Ouça o LP no link ao lado: Estúpido Cupido Nacional
                                                               

 

      
                                         Ouça o LP no link ao lado: Estúpido Cupido Internacional
 

____________________________________________________________________

Em 27 de Agosto de 1976,

Papa Poluição, grupo paulistano, contratado pela gravadora Chantecler, entra no estúdio Gravodisc para a gravação de seu 1o. disco, um compacto duplo com quatro músicas onde misturam, com letras bastante irreverentes (como seu próprio nome), o rock com ritmos regionais nordestinos, como em Rola Coco (incluindo participação de Osvaldinho do Acordeon), Brechando nas Gretas e Em Nome do Rock (com citações dos Beatles e jovem guarda), além do balanço latino de Guerra Fria.

                                      
                           
                                      
                           

O grupo iniciara sua carreira em 1974 radicando-se no bairro de Vila Madalena, e tornando-se um dos precursores do movimento artístico de todas as tendências que em breve lá floresceria. 

Seu membro mais conhecido, José Luiz Penna (vocalista e guitarra base do grupo, primo do cineasta Hermano Penna), posteriormente se tornaria deputado federal e presidente nacional do Partido Verde (tudo a ver com o nome do grupo). Além do potiguar (de Natal) Penna, o grupo era formado pelos cearenses Tiago Araripe (vocal, violão, composições) e Xico Carlos (bateria), e pelo baiano Paulinho Costa (vocais, guitarra e composições).

                                                              

Apesar da ótima qualidade de suas músicas e do sucesso que o grupo tinha em suas apresentações, por conta de uma péssima divulgação por parte da Chantecler o disco vendeu muito pouco, o que motivou o encerramento do contrato com aquela gravadora.

Isso não impediu o grupo de marcar 1977 estreando novo showMamãe Rádio Não Toca Meu Disco , e assinar com a gravadora carioca Top Tape, onde gravou (pelo selo Arco-Íris) seu segundo e último disco, um compacto simples com o rock-balada Tua Ausência (trazendo mais citações de Beatles) e a faixa meio-rock-meio-latina Inferno da Criação. O que brecou o Papa Poluição foram problemas de outras ordens – principalmente briga com gravadoras.

                                  
                              

Estas duas faixas do disco da Top Tape nasceram independentes; o PP as gravou por conta própria no Eldorado, então o maior estúdio do Brasil, aproveitando horas vagas entre uma gravação paga e outra. Os dirigentes da Top Tape desataram a prometer mundos e fundos ao grupo. a começar por um LP. Só que eles, pouco dispostos a, como se diz, “entrar para o esquemão”,  preferiram ir com calma e começar por um compacto, para testar o mercado.

Pois bem, a Top Tape lançou o compacto – mas não pagou jabá (sim, isso já existia; aliás, sempre existiu, embora nem sempre com esse nome) às rádios e TVs; cabendo, então, ao grupo ralar em shows e entrevistas para conseguir um bom espaço em algumas emissoras. 

Tua Ausência começou a fazer sucesso. Mas de repente... parou de tocar no rádio. Penna relembrou: “Tivemos um trabalho danado para saber o que houve. Não é que a nossa gravadora tinha pedido ao programador da rádio para trocar o nosso espaço, conseguido a duras penas, pelo disco do Stevie Wonder (também do elenco da Top Tape)?” Como resumiu Tiago Araripe: “Descobrimos que a gente conseguia as coisas no
rádio, na TV, e eles vinham por trás e tentavam colocar o cast internacional deles. Ou seja, a própria gravadora tava nos boicotando.” “Aí não deu mais”, continua Penna. “Fomos no dia seguinte, eu e o Tiago Araripe, bem cedo à Top Tape, munidos de bastões, e pichamos todos os cartazes dos astros internacionais com obscenidades.  Foi um belo escândalo. Enfrentamos a partir daí o colapso total. As gravadoras determinaram o FIM DISCOGRÁFICO do PAPA POLUIÇÃO.” 

                                                                  
                                                             

Logo em seguida Bill Soares, o baixista saiu do grupo, sendo substituído por Cid Campos (filho do poeta Augusto de Campos), mas grupo não passaria de 1979, encerrando sua carreira após gravar uma marcha carnavalesca para um compacto triplo de vários intérpretes, além de canções para o filme Sargento Getúlio (também dirigido por Hermano Penna e estrelando Lima Duarte), e participarem do último festival da TV Tupi, defendendo O Grande Circo Universal, de Thomas Roth em parceria com o saudoso Luís Guedes.

                                                                 
                                         
                       
                                                             
                                                                                                  Ouça as músicas do compacto no link ao lado: Papa Poluição 1976
                                                                                                                         Ouça no link ao lado: Tua ausência
                                                                                                                              Ouça no link ao lado: Inferno da criação 

130

Em 02 de Setembro de 1976,

Raimundo Fagner, com o contrato com a Continental recém encerrado, entra nos estúdios de sua nova gravadora, a CBS carioca, onde inicia as gravações de seu 3o. LP, o homônimo Raimundo Fagner, o 1o. disco dele que alcança verdadeiramente o sucesso em vendas,  40 mil exemplares já na 1a. semana de lançamento, ocorrido em 09 de novembro de 1976, em show no MAM (Museu de Arte Moderna).

O que fez do álbum um dos melhores do ano foi, entre outros requisitos, a qualidade da gravação (em 8 canais, mas mixagem em 16) e das composições (clássicos como Sinal Fechado - de Paulinho da Vila, e Sangue e Pudins, de Fagner e Abel Silva - gravada pouco depois por Simone), os arranjos bem elaborados, e o time de músicos envolvidos no trabalho - Robertinho de Recife (guitarras e viola), Robertinho Silva (bateria e percussão), Chico Batera (percussão), Luis Alves (baixo acústico e elétrico), Túlio Mourão (teclados), Herman Torres (baixo elétrico), Liminha (baixo elétrico), Dominguinhos (sanfona) e Wagner Tiso (piano).

                                                                
                                                                  
                                                                
                                                                 
                                                                
                                                                 
                                                                 
                                                                   
                                                                                           Ouça o LP completo no link ao lado: Raimundo Fagner

____________________________________________________________________

Em 03 de Setembro de 1976, 

Ruy Maurity, cantor, compositor e poeta fluminense (de Paraíba do Sul), irmão do pianista Antonio Adolfo,  entra nos estúdios da Som Livre e inicia a gravação de seu 4o. LP, Nem Ouro, Nem Prata, cuja faixa título tornar-se-ia seu maior sucesso, atingindo o 14o. lugar nas paradas das rádios de todo o Brasil.

Além da faixa-título, o álbum trás uma ótima mistura de sambas, sons com origem rural, africana e indígena; com uma poesia recheada de inúmeras referências, da Umbanda a Carlos Drummond de Andrade. 

O disco, lançado em 15/11/1976, emplacaria ainda canções como Quizumba de Rei, Segunda-Feira das Almas, Xangô o Vencedor, Serafim e seus filhos (um de seus maiores hits, lançado anteriormente, em 1971) e Menina do mato.

                                                                    
                                                                 
                                                                
                                                                 
                                                                
                                                                 
                                                                                                              Ouça o LP completo no link ao lado: Nem Ouro Nem Prata
____________________________________________________________________

Em 27 de Outubro de 1976, 

Milton Nascimento adentra os estúdios da EMI-Odeon carioca e inicia as gravações de seu 10o. LP,  Geraes, que finalmente o faria alcançar sucesso de vendagens (mais de 40.000 cópias na pré-venda), além da já costumeira unanimidade de aplausos da crítica musical.

O álbum, lançado em 15/12/1976, trás alguns dos maiores clássicos, seus e da história música popular brasileiracomo Fazenda, Calix Bento, Volver a los 17 (com Mercedes Sosa), O que será - à flor da pele - (com Chico Buarque), Caldera (com o Grupo Água), Promessas do sol (com o Grupo Água) e Circo Marimbondo (com Clementina de Jesus).

                                                               
                                                                         
                                                                  
                                   
                               
                                  
                               
                 
                                                                   
                                                                   
                                                                  
                                                               Ouça o LP completo no link ao lado: Geraes