127

1976.6

Novela Estúpido Cupido - LP Trilha Sonora

Papa Poluição - compactos

Chico Buarque 6o. LP - Meus Caros Amigos

 

Em 25 de Agosto de 1976,

Estúpido Cupido é a novela da Rede Globo que estreia nesse dia, às 19 hrs, trazendo nos 2 LPs de sua trilha sonora (nacional e internacional), somente sucessos dos anos 50 e início dos 60 (entre 1958 e 1963), época retratada na trama.

                                                                 
                                                                 

A novela foi responsável pela volta à midia (rádio, televisiva e impressa) de, entre outros, Celly Campello, uma das principais precursoras do rock brasileiro. Infelizmente Celly faleceria em 2003, com apenas 61 anos de idade, vítima de câncer.

                                                               
                                                                 

O sucesso da trilha sonora foi tão grande que ultrapassou a casa de 1 milhão de cópias vendidas, até hoje um grande recorde para esse tipo de coletânea.

A novela teve o último de seus 160 capítulos exibido em 28 de fevereiro de 1977.

                                                                
                                                                                                                   Ouça o LP no link ao lado: Estúpido Cupido Nacional
                                                               
                                                                                Ouça o LP no link ao lado: Estúpido Cupido Internacional

____________________________________________________________________

Em 27 de Agosto de 1976,

Papa Poluição, grupo paulistano, contratado pela gravadora Chantecler, entra no estúdio Gravodisc para a gravação de seu 1o. disco, um compacto duplo com quatro músicas onde misturam, com letras bastante irreverentes (como seu próprio nome), o rock com ritmos regionais nordestinos, como em Rola Coco (incluindo participação de Osvaldinho do Acordeon), Brechando nas Gretas e Em Nome do Rock (com citações dos Beatles e jovem guarda), além do balanço latino de Guerra Fria.

                                      
                           
                                      
                           

O grupo iniciara sua carreira em 1974 radicando-se no bairro de Vila Madalena, e tornando-se um dos precursores do movimento artístico de todas as tendências que em breve lá floresceria. 

Seu membro mais conhecido, José Luiz Penna (vocalista e guitarra base do grupo, primo do cineasta Hermano Penna), posteriormente se tornaria deputado federal e presidente nacional do Partido Verde (tudo a ver com o nome do grupo). Além do potiguar (de Natal) Penna, o grupo era formado pelos cearenses Tiago Araripe (vocal, violão, composições) e Xico Carlos (bateria), e pelo baiano Paulinho Costa (vocais, guitarra e composições).

                                                              

Apesar da ótima qualidade de suas músicas e do sucesso que o grupo tinha em suas apresentações, por conta de uma péssima divulgação por parte da Chantecler o disco vendeu muito pouco, o que motivou o encerramento do contrato com aquela gravadora.

Isso não impediu o grupo de marcar 1977 estreando novo show, Mamãe Rádio Não Toca Meu Disco , e assinar com a gravadora carioca Top Tape, onde gravou (pelo selo Arco-Íris) seu segundo e último disco, um compacto simples com o rock-balada Tua Ausência (trazendo mais citações de Beatles) e a faixa meio-rock-meio-latina Inferno da Criação. O que brecou o Papa Poluição foram problemas de outras ordens – principalmente briga com gravadoras.

                                  
                              

Estas duas faixas do disco da Top Tape nasceram independentes; o PP as gravou por conta própria no Eldorado, então o maior estúdio do Brasil, aproveitando horas vagas entre uma gravação paga e outra. Os dirigentes da Top Tape desataram a prometer mundos e fundos ao grupo. a começar por um LP. Só que eles, pouco dispostos a, como se diz, “entrar para o esquemão”,  preferiram ir com calma e começar por um compacto, para testar o mercado.

Pois bem, a Top Tape lançou o compacto – mas não pagou jabá (sim, isso já existia; aliás, sempre existiu, embora nem sempre com esse nome) às rádios e TVs; cabendo, então, ao grupo ralar em shows e entrevistas para conseguir um bom espaço em algumas emissoras. 

Tua Ausência começou a fazer sucesso. Mas de repente... parou de tocar no rádio. Penna relembrou: “Tivemos um trabalho danado para saber o que houve. Não é que a nossa gravadora tinha pedido ao programador da rádio para trocar o nosso espaço, conseguido a duras penas, pelo disco do Stevie Wonder (também do elenco da Top Tape)?” Como resumiu Tiago Araripe: “Descobrimos que a gente conseguia as coisas no
rádio, na TV, e eles vinham por trás e tentavam colocar o cast internacional deles. Ou seja, a própria gravadora tava nos boicotando.” “Aí não deu mais”, continua Penna. “Fomos no dia seguinte, eu e o Tiago Araripe, bem cedo à Top Tape, munidos de bastões, e pichamos todos os cartazes dos astros internacionais com obscenidades.  Foi um belo escândalo. Enfrentamos a partir daí o colapso total. As gravadoras determinaram o FIM DISCOGRÁFICO do PAPA POLUIÇÃO.” 

                                                                  
                                                             

Logo em seguida Bill Soares, o baixista saiu do grupo, sendo substituído por Cid Campos (filho do poeta Augusto de Campos), mas o grupo não passaria de 1979, encerrando sua carreira após gravar uma marcha carnavalesca para um compacto triplo de vários intérpretes, além de canções para o filme Sargento Getúlio (também dirigido por Hermano Penna e estrelando Lima Duarte), e participarem do último festival da TV Tupi, defendendo O Grande Circo Universal, de Thomas Roth em parceria com o saudoso Luís Guedes.

                                                                 
                                         
                       
                                                             
                                                                                                  Ouça as músicas do compacto no link ao lado: Papa Poluição 1976
                                                                                                                         Ouça no link ao lado: Tua ausência
                                                                                                                              Ouça no link ao lado: Inferno da criação 

____________________________________________________________________

Em 01 de Setembro de 1976, 

Chico Buarque entra nos estúdios cariocas da Phillips-Phonogram e inicia as gravações de seu 6o. LPMeus Caros Amigos, um disco tão marcante e icônico que seria indicado como o número 41 entre Os 100 Discos Mais Importantes da História da Música Brasileira, pela  edição brasileira da Revista Rolling Stone.

O disco, lançado em 30 de novembro de 1976,  trás alguns dos maiores clássicos de Chico e da música brasileira dos anos 70, como a faixa-título, O que será (gravado com Milton Nascimento), Olhos nos olhos, Mulheres de Atenas e Vai trabalhar vagabundo.

                                                                 
                                                                  
                                                                 
                                                                     
                                                                  
                                                                 
                                                                  
                                                                

 

                                                                                                 Ouça o LP completo no link ao lado - Meus Caros Amigos

 

127