107

1975

Wando - Moça / 1o. LP

Clara Nunes 9o. LP

Gilson de Souza - Pôxa

João Ricardo 1o. LP

 

Em 04 de Janeiro de 1975, 

Wando, cantor e compositor mineiro, teve seus primeiros sucessos nacionais dois anos antes (1973), com a gravação por Jair Rodrigues de suas Se Deus quiser e O importante é ser fevereiro, também presentes no 1o. LP desse mineiro, do mesmo ano.

Neste dia Wando entra nos estúdios cariocas da gravadora Copacabana para gravar seu 1o. LP (sob o selo Beverly), homônimo, que trás seu 1o. grande sucesso solo, Moça, um dos maiores clássicos da música romântica (também chamada de brega) brasileira dos anos 70, que seria o 1o. lugar das paradas brasileiras em 1975.  

Também neste disco Wando teria outro grande sucesso, o samba (sua especialidade na época) Nega de Obaluaê.

Moça em seguida seria um dos temas da 1a. versão da novela Pecado Capital, da Rede Globo.

                                 
                   Ouça o LP completo no link ao lado:     Wando
                                 
                   Ouça o compacto nos links abaixo              O importante é ser fevereiro                           Se Deus quiser
                                   
                         Ouça o compacto no  link abaixo     O importante é ser fevereiro / Se Deus quiser

____________________________________________________________________

Em 05 de Janeiro de 1975, 

Clara Nunes inicia as gravações de seu 9º.LP, Claridade, a maior vendagem de sua carreira até então, com 1.125.410 cópias vendidas, o 1º. disco de uma cantora brasileira a atingir tal marca e que trás alguns de seus maiores sucessos, grandes clássicos do samba dos anos 70 e de todos os tempos, como: O mar serenouDeusa dos Orixás, Juízo final e Bafo de boca.

                                           
        Ouça o LP completo no link abaixo                                  Claridade
 
 
 
 
 
 
m deste, o disco trás um outro enorme sucesso:
“Você não passa de uma mulher”.
Nome do disco:                    “Maravilha de cenário”

____________________________________________________________________

Em 08 de Janeiro de 1975, 

Gilson de Souza, cantor e compositor de Marília, interior paulista, grava um compacto que trás um dos maiores clássicos da história do samba nos anos 70: Pôxa

32o. lugar nas paradas das rádios e Tvs de todo o país, a música teria várias regravações posteriores, as mais conhecidas nas vozes de Elymar Santos (1997) e Zeca Pagodinho (em 2010).

O disco, no lado B, emplacaria ainda um 2o. sucesso: Quem é de samba chora

                                         
                Ouça nos links abaixo                              Pôxa   /  Quem é de samba chora
                       
                                    Ouça no link abaixo                                                                 Pôxa
                         
              Ouça no link abaixo                                             Pôxa

_____________________________________________________________________________________________________

Em 10 de Janeiro de 1975,  

João Ricardo, ex líder e idealizador do Secos & Molhados, 5 meses após o lançamento do 2o. LP e encerramento da carreira do grupo em agosto de 1974, entra nos Estúdios Reunidos (no prédio da Faculdade Casper Líbero, de São Paulo) para iniciar as gravações de seu 1o. LP solo, homônimo, mas conhecido como o disco rosa, devido à foto de sua capa, onde João aparece vestido com um terno rosa choque.

O disco, lançado no final de abril pela Phillips, apesar de um enorme esquema promocional, com divulgação nos principais veículos da imprensa do país, acabaria sendo um completo fracasso de crítica e vendas.

A única música do disco que tocaria (um pouco) nas rádios seria Vira safadouma sátira venenosa baseada num dos maiores sucessos do primeiro disco do Secos & Molhados – O vira

Na letra João sabota a festa na floresta onde os sacis agora se perdem, os gatos cedem, os lobisomens amargam e pirilampos corrompem-se virando safados ao som desse vira virado ao avesso. 

A estratégia não funcionou. Recendendo mais à revanche do que à novidade, revolvendo inutilmente o passado, o álbum não aconteceu, o show foi um fiasco e todo esse cenário obscuro de aparente desforra contribuiu para que perdêssemos de vista um bom compositor e artista que poderia ser configurado em João Ricardo. O projeto do artista na nova gravadora foi arquivado.

Poucos meses depois, em agosto de 1975, o próprio João viria a público dizendo-se arrependido dos equívocos cometidos nesse 1o. disco solo, prometendo tomar outros rumos daí em diante.

                               
                         
                         
                      Ouça o LP completo no link abaixo                              João Ricardo
                             

107