118

1975.11

Luiz Melodia 2o. LP - Maravilhas Contemporâneas

Walter Franco 2o. LP - Revolver

Som Nosso de Cada Dia 2o. LP - Som Nosso

Made in Brazil - 2o. LP - Jack O Estripador

 

Em 30 de Setembro de 1975, 

Luiz Melodia inicia as gravações de seu 2o. LP, Maravilhas Contemporâneas.

O disco seria lançado pela Som Livre (Rede Globo) apenas em maio de 1976.

A inclusão de uma de suas músicas, Juventude Transviada, na trilha sonora da novela global Pecado Capital (24/11/1975 a 04/06/1976) alavancaria as vendas do álbum, tornando-o um grande sucesso em todo o país.

Porém, logo após o lançamento do LP, na madrugada de 03-06-1976 (um dia antes do término da novela) Luiz sofreria um grave acidente de carro que o afastaria da vida artística por  seis meses, só retornando em janeiro de 1977. Por esta razão, as vendas que inicialmente foram ótimas, sem shows para a divulgação do disco, em breve despencaram.

      Ouça o LP completo no link abaixo            Maravilhas Contemporâneas

____________________________________________________________________

 Em 01 de Outubro de 1975,

Walter Franco  entra nos Estúdios Eldorado, em São Paulo, para iniciar as gravações de seu 2o. LPRevolver.

O álbum, lançado em dezembro de 1975 pela gravadora Continental, é um pouco menos polêmico que o primeiro disco, de 1973, com músicas dotadas de mais melodia e harmonia, mas ainda com grandes doses do experimentalismo próprio de Walter.

O LP trás dois de seus grandes clássicos, ícones da música brasileira dos anos 70: Feito gente (gravado ao vivo no mesmo mês (01-10-1975) por Wanderléa no show de mesmo nome,  em roupagem de samba) e a faixa-título.

      Ouça o LP completo no link abaixo                               Revolver

____________________________________________________________________

Em 05 de Outubro de 1975, 

Som Nosso de Cada Dia, grupo paulista, uma das maiores lendas da história do rock progressivo brasileiro.

Após a saída de Manito,  que, por pouco tempo, iria tocar com Os Mutantes pós-Rita Lee e Arnaldo Batista, contando agora em sua formação com Pedrão Baldanza (baixo e vocais), Pedrinho Batera, Egídio Conde (guitarra e vocais) e Tuca Camargo (teclados), o grupo entra em São Paulo no Estúdio Vice Versa (moderníssimo estúdio de propriedade do maestro tropicalista Rogério Duprat), onde iniciariam as gravações de seu 2o. LP, que contaria ainda com as participações de Armando (teclados), Marcinha e Tony Osanah (vocais). Egídio Conde e Tuca Camargo sairiam antes do lançamento do novo álbum.

As novas músicas são bastante diferentes das do primeiro LP, gravado no final de 1973, mais voltadas para os ritmos nordestinos, principalmente o Maracatú, embora sem abandonar totalmente o progressivo.

Ainda assim, seriam rejeitadas pela gravadora Continental, que as taxara de anti-comerciais, fazendo com que as gravações ficassem paralisadas e sem lançamento, até a metade de 1977.

Nessa época, com a formação Pedrão Baldanza, Pedrinho Batera, Dino Vicente (teclados), Paulinho (teclados) e Rangel (percussão), o grupo, pressionado pela nova gravadora, CBS, viu-se obrigado a incluir faixas com uma levada mais comercial, com ritmos na linha funk e soul, mais ao gosto do público, que na época curtia o auge da onda disco' musicEgídio Conde, Tuca Camargo, além de Armando, Tony Osanah e Marcinha, fariam participação especial no novo álbum.

O disco, lançado, finalmente, em julho de 1977, traria um lado A com as primeiras gravações, de 1975, progressivas e nordestinas, e, o lado B, dançante. O título? Apenas, Som Nosso, mas, ficaria conhecido como Sábado / Domingo, nomes de cada um dos lados.

O álbum teria uma boa execução em rádios rock, porém, as vendas seriam pífias, pois desagradavam os antigos fãs (da fase progressiva do grupo), sem convencer os da musica disco'.

  

                         Ouça o LP completo neste link: Som Nosso

____________________________________________________________________

Em 07 de Outubro de 1975, 

Made in Brazil, depois do adiamento por conta do acidente de um de seus guitarristas, entra nos estúdios da RCA paulistana para iniciar as gravações de seu 2o. LP.,  Jack O Estripador.

O primeiro LP, de 1974, havia firmado o grupo como um dos grandes do rock brazuca, e este 2o., superaria, e muito, as expectativas em torno de seu lançamento.

Produzido pelo jornalista e crítico musical carioca Ezequiel Neves, que, de tão fã do grupo, tornar-se-ia um de seus backing-vocals; este 2o. álbum, agora com Percy Weiss no vocais, no lugar de Cornelius, consolidaria o grupo dos irmãos Vechione (Oswaldo e Celso), como uma das maiores lendas da história do rock brasileiro.

Depois de uma série de contratempos, as gravações seriam interrompidas em dezembro de 1975 e só retomadas, em janeiro de 1976.

O disco, que tinha seu lançamento previsto para março, seria finalmente lançado no início de maio de 1976.

 

                               Ouça o LP completo no link ao lado: Jack O Estripador

 

 

118